Você está em > Pellon & Associados Advocacia > Clipping BR > Pesquisa da Bain revela que clientes de seguradoras preferem canais de contato humano
20/08/2021 | Fonte: SONHO SEGURO

Pesquisa da Bain revela que clientes de seguradoras preferem canais de contato humano

NPS Prism aponta a importância do papel do corretor e dos bancos na aquisição de novos produtos e serviços

Por meio do NPS Prism, a Bain & Company mediu os principais canais usados pelos clientes das principais seguradoras do Brasil e concluiu que os contatos humanos, em especial corretor e banco, ainda possuem grande relevância e aparecem como canal principal para 60% dos respondentes. “Isso se dá porque a experiência do cliente ainda é, de modo geral, melhor através do corretor do que em canais digitais, conforme medido pela classificação de NPS”, comenta Luiza Mattos, sócia da Bain & Company, em nota divulgada à imprensa.

Segundo o levantamento, o NPS do atendimento de um corretor foi até 22 pontos melhor que o da Central de Atendimento e entre 12 e 18 pontos mais alto quando comparado ao atendimento completamente digital.

O levantamento também apontou a importância de manter o cliente satisfeito em um mesmo canal, uma vez que a mudança do digital para o humano deixa o cliente menos satisfeito com a experiência. No seguro auto, por exemplo, clientes que iniciam seus episódios em canais digitais reduzem seu NPS em 15 pontos, em média, ao serem forçados a migrar para um atendimento humano.

Os níveis de satisfação do cliente variam de acordo com o tipo de episódio. Aquisição, por exemplo, ainda são dependentes do corretores, que são o canal inicial de 52% dos clientes. Enquanto gerenciamento de pagamento e acompanhamento de sinistro possuem maior penetração de canais digitais (53%), seguido de central de atendimento (38%).

A entrada de players digitais no setor de seguros tem impactado também os canais, conforme novas empresas de seguros para auto, vida e previdência totalmente digitais surgem no mercado. “Isso confirma que a indústria de seguros está atrás dos demais ramos de serviços financeiros em digitalização e grandes players precisam estar atentos para o movimento atual de serviços remotos”, completa Mattos.

Compartilhe

© 2021 Copyright Pellon & Associados